You are currently browsing the tag archive for the ‘águas de romanza’ tag.

                                        

Durante os dias 12, 19, 26 e 28, a cidade de Sâo Paulo pode apreciar sessões de curtas-metragens no Espaço Unibanco de Cinema. O Crítica Curta 2008 exibiu 6 curtas-metragens e irá selecionar críticos para o 19º Festival de Curtas de São Paulo, que acontece em agosto. Estudantes universitários das faculdades participantes poderíam assistir aos filmes e depois mandar suas resenhas para o site da organização, a Kinoforum. Os 30 selecionados participarão de uma oficina de produção de textos que acontece dentro do Festival, sob a orientação do jornalista e crítico de cinema Sérgio Rizzo.

Como eu não sou boba, nem nada, e graças à dica da minha amiga Karla Souza, mandei meu textinho. Vamos ver se dá certo, não é? A resenha que fiz é sobre o curta “Águas de Romanza”,  e ele está aí embaixo:

Logo de começo, o curta se destaca dos demais pela qualidade da
fotografia e da velocidade com que a câmera se move, nos fazendo
entrar no espírito calmo e seco do sertão nordestino. A menina da
história (Michaela Faria Alves), em seus seis anos de existência não
sabe o que é chuva
, não imagina como é senti-la por todo seu corpo, e
não se cansa de pedir para a avó (Leuda Bandeira) lhe contar mais
sobre a formação desse fenômeno.
       A atriz cearense Leuda Bandeira lembra em alguns momentos a atriz
Fernanda Montenegro, em seu papel em Central do Brasil, – guardadas as
devidas proporções, é claro – desde a relação com a neta até a garra
de seguir em frente em meio todas as dificuldades do meio em que vive,
Leuda atua com muita veracidade, ao lado da pequena Michaela e do
caixeiro viajante, interpretado por Rodger Rogério.
       Águas de Romanza (Brasil, CE, 2002), das diretoras Gláucia Soares e
Patrícia Baía, é um curta muito agradável de se assistir, que consegue
envolver seu público, deixando-o  curioso para saber o que vai
acontecer no final. A leveza e a naturalidade com as quais a menina
Michaela Faria Alves interpreta o papel da neta, encanta ainda mais. O
curta tem quinze minutos de duração, mas a impressão é que esse tempo
é bem menor. Talvez o único ponto negativo que possa ser comentado é a
qualidade do áudio em alguns diálogos, que não são possíveis de ser
compreendidos.
       O conjunto de boa direção, bons atores e boa fotografia faz de Águas
de Romanza
um curta de destaque nas Sessões Crítica Curta 2008.

Por Camila Braga